a@eyesonbrasil.com

O Brasil pode oferecer uma solução para o futuro do tráfego aéreo europeu?

Notícias

O Brasil pode oferecer uma solução para o futuro do tráfego aéreo europeu?

EmbraAer Jet for KLM

Amsterdam, 8 de Março de 2021– O tráfego aéreo na Europa praticamente paralisou. Mas é um silêncio enganoso, porque está fermentando com caçadores de preços como Ryanair e Wizz Air. Eles encomendam novos dispositivos como se não houvesse crise alguma. Assim que as restrições às viagens desaparecerem, eles querem começar uma guerra de preços.

Todas as companhias aéreas europeias publicaram seus resultados anuais nas últimas semanas sobre o desastroso ano de 2020 para o setor. A gigante alemã Lufthansa foi a última na quinta-feira, relatando prejuízo de € 6,7 bilhões, quase tanto quanto a Air France-KLM.

É hora de uma revisão intermediária. E isso não está indo bem para as companhias aéreas tradicionais que possuem uma grande rede internacional e não são muito flexíveis. Quatro tendências em relação aos números anuais.

Expandir ou diminuir a frota?

O contraste dificilmente poderia ser maior. A Lufthansa afirma que vai reduzir novamente sua poderosa frota para 650 unidades. Após um ano de crise corona, o número um da Europa ainda tem aviões demais. A Air France-KLM também está reduzindo suas despesas para colocar o serviço de limpeza em ordem.

Como a imagem é diferente com alguns lutadores de preço. Eles são, na verdade, dispositivos de pedido. A Ryanair diz que vai expandir sua frota nos próximos cinco anos, com 160 aeronaves até 600 unidades. A empresa fez um mega pedido de 210 aeronaves Boeing 737 MAX. 

A empresa Irlandesa quer aumentar para 200 milhões de passageiros até 2026. Até o final deste ano, estaremos novamente voando com 80 a 90% da capacidade, diz um CEO otimista Michael O’Leary.

A menor Wizz Air também está em viagem de expansão: ela abriu quatorze novas bases na Europa no tempo da coroa e está expandindo a frota de 137 aeronaves para 162. Esta empresa originalmente Húngara voa principalmente de aeroportos regionais. Afirma ser o produtor mais rápido da Europa.

O setor está saindo da crise? Mas como?

Essa expansão está ligada às crenças que existem sobre como o setor de viagens e aviação sairá da crise. O turismo vai ganhar um impulso após a redução da corona, especialmente na Europa. O prognóstico é que o europeu médio deixará o destino distante pelo que é e opte por algumas semanas de férias ou visita em família na Europa. E então a Ryanair e a Wizz Air querem estar na vanguarda.

Os turistas são os primeiros a regressar ao aeroporto; os viajantes a negócios chegarão mais tarde, e provavelmente em números menores também. E – não sem importância – a expectativa é que o número de passageiros na Europa só volte ao nível anterior ao surto da coroa em 2024 ou 2025.

Essa é a dura realidade para a KLM, Lufthansa e outras companhias aéreas que dependem de suas conexões internacionais com outros continentes. Demorará um pouco para que a rede funcione corretamente novamente.

Por enquanto, a tendência é voar na Europa e com os preços mais baixos possíveis. É também por essa razão que a Eurowings e a Transavia, as companhias aéreas de baixo custo da Lufthansa e da Air France-KLM, têm espaço dos seus proprietários para acompanhar esta tendência sempre que possível. Eles estarão na vanguarda da luta contra os lutadores de preço. 

Preços bons pros investidores

Os investidores também estão vendo que os lutadores de preço podem conquistar participação de mercado. A Ryanair registrou um ganho cambial de 34% nos últimos doze meses – portanto, um ano inteiro de coroa. A participação da Wizz Air foi ainda 51% maior. Sua popularidade na bolsa de valores contrasta fortemente com a das principais operadoras.

Parece dar aos investidores a confiança de que as companhias aéreas de baixo custo sobreviverão à crise sem muito apoio governamental. Eles fazem muito menos empréstimos ou emitem títulos corporativos. A Ryanair tinha 3,5 bilhões de euros em dinheiro no final de dezembro.

Ajuda estatal

A companhia aérea irlandesa está furiosa porque a Air France-KLM está recebendo muitos auxílios estatais. Os mais de 10 bilhões de euros em empréstimos garantidos pelo Estado são uma maldição para o CEO irlandês Michael O’Leary. Mas o Tribunal Europeu até agora discordou dele quando pediu a rejeição desse auxílio que ele acredita levar à concorrência desleal.

LET’S KEEP IN TOUCH!

We’d love to keep you updated with our latest news and offers 😎

We don’t spam! Read our privacy policy for more info.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *