++ 31 06 154 38 185
a@eyesonbrasil.com

EMBRAPA: Brasil quarto maior Produtor de Grãos

News

EMBRAPA: Brasil quarto maior Produtor de Grãos

Agriculture Farm Brazil

Ninguém segura mais este País 

Amsterdam, 3 de Junho de 2021– Um estudo divulgado quarta-feira dia 2 de junho de 2021 pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento mostrou que o país é o quarto maior produtor mundial de grãos no mundo, foi anunciado. 

Maior rebanho bovino do mundo e maior exportador dessa carne. 

O país também responde por 50% do mercado global de soja e se tornou o número global, dois exportadores de milho, em 2020, além de seus tradicionais embarques para o exterior de café e açúcar. 

O Brasil também conquistou uma fatia maior do mercado internacional sobre o nas últimas duas décadas, tanto na produção quanto na exportação de produtos, segundo estudo da Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas (Sire) intitulado Agro no Brasil e no Mundo. 

O estudo, focado no período 2000-2020, mostra que o país é o quarto maior produtor de grãos (arroz, cevada, soja, milho e trigo) do mundo, atrás de China, Estados Unidos e Índia, respondendo por 7,8% da produção mundial. 

Em 2020, produziu 239 milhões e exportou 123 milhões de toneladas de grãos. Os dados foram obtidos na plataforma FAOSTAT, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), para o período 2000-2020, com destaque para o último ano. 

Os autores do estudo são o físico e analista de Data Science Adalberto Aragão e o pesquisador Elísio Contini. 

O Brasil também é o segundo maior exportador de grãos do mundo, com 19% do mercado internacional. 

Nos últimos 20 anos, as exportações atingiram mais de 1,1 bilhão de toneladas, o que representou 12,6% das exportações mundiais. 

“Os dados mostram a evolução e o posicionamento da produção e da comercialização internacional do agronegócio brasileiro. Soja, milho, algodão e carne são os produtos mais dinâmicos devido à crescente demanda externa. 

A perspectiva é que continuem nos próximos anos. 

O crescimento populacional e o aumento da renda no mundo são os motores da demanda mundial, principalmente na Ásia, especialmente na China e, em um futuro próximo, na Índia ”, diz Contini. 

As exportações brasileiras chegaram a US $ 37 bilhões somente em 2020 e US $ 419 bilhões , entre 2000 e 2020. 

“O objetivo do estudo é apresentar o desempenho brasileiro na produção e exportação de grãos, carnes, frutas e produtos florestais, nas últimas duas décadas. 

Trabalhamos com um horizonte de tempo de 2000 a 2020, usando dados do sistema FAOSTAT e fazendo estimativas matemáticas para os resultados de 2020 ”, explicou Aragão. 

De 2000 a 2020, o país foi o segundo maior produtor e exportador de soja. 

No ano passado, alcançou o primeiro lugar, com 126 milhões de toneladas produzidas e 84 milhões exportadas. 

O Brasil já responde por 50% da soja mundial. As exportações brasileiras de grãos somaram US $ 30 bilhões em 2020 e US $ 346 bilhões nas últimas duas décadas. 

Por outro lado, a produção de arroz continua um desafio. Desde 2000, a produção permaneceu sem aumentos significativos. 

China e Índia continuam sendo os maiores produtores mundiais, enquanto o Brasil ocupa a nona posição, com sua produção voltada para o mercado interno e apenas 2% exportada em 2020. 

Em 2020, o Brasil era o terceiro na produção mundial de milho, com 100 milhões de toneladas (8,2 % do total), atrás dos Estados Unidos e China. 

Nas últimas décadas, a posição relativa do Brasil não mudou quando se considera a produção de grãos, mas cresceu em termos de exportação. 

Em 2020, os produtores brasileiros de milho exportaram 38 milhões de toneladas, ou seja, 19,8% do total das exportações, sendo o segundo maior exportador de milho, atrás apenas dos Estados Unidos. 

Só no ano passado, as exportações brasileiras de milho somaram US $ 6 bilhões. O Brasil também é o quarto maior produtor de feijão do mundo, mas não está entre os maiores exportadores, a maior parte da produção é destinada ao consumo interno. 

China, Índia e Mianmar foram os maiores produtores de feijão do mundo, respondendo por mais de 60% da produção de 2020. “Produtos como arroz e feijão, que historicamente serviam ao consumo interno do Brasil, apresentam produção estagnada. 

Seu crescimento depende basicamente da evolução da população brasileira, (…) Além disso, são produtos básicos da população brasileira, mas com baixa demanda quando a renda aumenta. O arroz iniciou um movimento de exportação no ano passado para alguns países com déficits de produção. 

Reihen von jungen Maispflanzen auf fruchtbarer Erde, leuchtende Farben

Mas os grandes produtores mundiais de arroz protegem seu mercado, inclusive com subsídios, o que também impacta nossa produção e exportação ”, disse Contini. 

Em relação ao algodão, o estudo mostrou que embora o país ocupe o quinto lugar em produção, o desempenho brasileiro nos últimos 20 anos mostra um aumento da produção, bem como da exportação do produto. Em 2020, o país era o quarto maior produtor e segundo maior exportador de algodão, atrás apenas dos Estados Unidos. 

Em 2020, o país era o quarto maior produtor e segundo maior exportador de algodão, atrás apenas dos Estados Unidos. Em 2020, o rebanho bovino brasileiro era o maior do mundo, representando 14,3% do rebanho mundial, com 217 milhões de cabeças, seguido pela Índia com 190 milhões de cabeças. 

Embora o país seja o maior produtor de gado do mundo, o Brasil se torna o terceiro maior exportador mundial de carne quando se somam à equação aves e suínos, com uma produção combinada de 9,2% em 2020, ou 29 milhões de toneladas, atrás da China e Estados Unidos.

AF. Fonte: Embrapa

LET’S KEEP IN TOUCH!

We’d love to keep you updated with our latest news and offers 😎

We don’t spam! Read our privacy policy for more info.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *